Raquel Lyra: “se a população está distante, é porque ela está desacreditando em nós, cabe a nós mesmos mostrar que é possível fazer diferente”

12 de dezembro de 2017 0 Por blogem
Fotos: Jorge Farias
“Ser jovem e buscar fazer
diferente não é uma questão de idade, é uma questão de atitude. Atitude de
fazer da política a melhor forma de buscar diminuir os desequilíbrios
regionais, de chegar à vida das pessoas onde elas vivem, no Sertão, no Agreste,
na zona urbana, na periferia ou na zona rural”. Assim começou o discurso a
prefeita de Caruaru, Raquel Lyra (PSDB), no ato “Pernambuco quer mudar”
realizado, na noite dessa segunda-feira (11), no Recife.
No encontro, que reuniu políticos e militantes de
diversos partidos, líderes comunitários, ministros, senadores, prefeitos,
deputados e vereadores de todo estado, Raquel falou sobre a importância que os
políticos têm em reaproximar a população da política. “Precisamos buscar unir
as pessoas em torno de um propósito que faça causar engajamento. Isso a gente
só faz quando busca reaproximar a população da política. Se a população está
distante, é porque ela está desacreditando em nós e não cabe a outras pessoas,
senão a nós mesmos, mostrar que é possível fazer diferente”. A prefeita falou,
também, sobre a carência dos pernambucanos com relação a um governo que os
represente. “É nesse momento de crise que nós devemos ter a coragem de dizer e
de fazer diferente, de buscar traçar nossos governos de modo que eles sirvam às
pessoas. É isso que está faltando no Estado. O sentimento da nossa gente é de
absoluto abandono e a reflexão maior sobre isso se dá na segurança pública”,
completou.
Para finalizar, a prefeita ressaltou o compromisso de
ouvir a população como ideal para a construção um futuro melhor. “Mais do que
Pernambuco quer mudar, Pernambuco precisa mudar. E a gente vai mudar porque a
nossa gente tem coragem, tem ousadia, é uma gente que vai, sim, atrás dos seus
propósitos. E é assim que estamos buscando fazer, com muita dificuldade. É hora
de arregaçar as mangas, de ir às ruas, de conversar com a nossa gente, de
construir algo que todo mundo espera de nós, que é um caminho para construir o
futuro. Eu convoco todos para que façamos esse movimento, que tem ser feito
próximo à população”.