Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil com ações em Caruaru nesta quarta (12)

Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil com ações em Caruaru nesta quarta (12)

11 de junho de 2019 Off

Nesta quarta-feira, dia 12 de junho, é Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. Para pontuar a data, a Prefeitura de Caruaru, através da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos (SDSDH), estará promovendo duas ações. Uma delas será uma sensibilização no Marco Zero com o intuito de alertar e orientar a população sobre a realidade do trabalho infantil. A intervenção acontecerá das 8h30 às 13h com atividades lúdicas, arte circense, atores em pernas de pau, distribuição e exposição de materiais gráficos educativos. Estarão à frente das atividades o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI), Abordagem Social e o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), todos da SDSDH.

“Em Caruaru trabalhamos para que crianças e adolescentes tenham seus direitos garantidos através de um conjunto integrado de ações de iniciativa pública que ofertam e operam benefícios, serviços, programas e projetos para a proteção social durante todo o ano – por meio de intervenções que sensibilizam e asseguram os direitos de nossas crianças e adolescentes”, destacou a coordenadora do AEPETI em Caruaru, Juciara Alves.

Em outro ponto da cidade, a data será celebrada no Residencial Luiz Bezerra Torres com uma ação realizada pelos membros do Projeto Fazendo Direito (financiado pela Fundação Itaú Social em parceria com o COMDICA) em parceria com o CRAS Taquara e o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). Serão desenvolvidas atividades culturais das 8h30 às 13h na praça principal. A programação prevê uma apresentação de hip hop às 08h30, seguida por uma roda de conversa sobre os malefícios do trabalho infantil. O segundo momento será vivenciado às 10:30, na Escola Municipal Dom Bernardino Marchió, com a apresentação da peça teatral Arraiá Brincantes de São João: trabalho infantil não entra na diversão, pela Cia Bacurau Cultural.

“O principal objetivo das ações nesta data é alertar a comunidade sobre a realidade do trabalho infantil e seus prejuízos. É quando se relembra que esses direitos estão sendo negligenciados em muitos países”, destaca a coordenadora do Projeto Fazendo Direito, Lucineide Santos.

Outra ação da data, em que a SDSDH está diretamente envolvida em Caruaru, é a exposição itinerante “Um Mundo Sem Trabalho Infantil”, promovida pelo Tribunal Regional do Trabalho (TRT6), no Caruaru Shopping, de 10 a 25 deste mês, que contará com o apoio da SDSDH na disponibilização de profissionais para auxiliar nos trabalhos. O lançamento da exposição será no dia 12 de junho, a partir das 17h, no centro de compras que fica localizado na Avenida Adjar da Silva Casé, 800 – Bairro Indianópolis. A exposição conta de forma cronológica, em formato de banners, a trajetória e a superação do trabalho infantil, através de fotos impactantes e dados significativos sobre a superação dessa violação de direito que acomete crianças e adolescentes por todo país.

Sobre a data

O Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, celebrado em 12 de junho, foi criado por iniciativa da Organização Internacional do Trabalho, uma agência vinculada à Organização das Nações Unidas (ONU), em 2002. Centenas de milhões de crianças estão nesse exato momento trabalhando, sem usufruir de seus direitos à educação, saúde e lazer.

De acordo com dados da Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que existam 218 milhões de meninas e meninos entre 5 e 17 anos trabalhando no mundo, muitos em atividades degradantes. No Brasil, a OIT calcula que sejam 2,4 milhões.

Atuação da Prefeitura de Caruaru

A Gerência de Proteção Social Especial, da Prefeitura de Caruaru, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, trabalha todos os dias diretamente no combate ao trabalho infantil, através da organização e oferta de serviços, programas e projetos.

Nesse sentido, o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI) desenvolve ações estratégicas de sensibilização, através de abordagens sociais, com o intuito de sensibilizar, orientar, informar e identificar a violação de direitos e de diversas violências cometidas contra crianças e adolescentes de Caruaru. Essas atividades são realizadas por equipes técnicas, assistentes sociais e psicólogos, além de educadores sociais e uma coordenação que atua de segunda à sábado no Parque 18 de maio (feiras livres), e na oferta do Espaço de Proteção localizado na Casa da Cultura José Condé. As atuações do AEPETI são desenvolvidas também na ciclofaixa, festas populares e acompanhamentos de pessoas identificadas em violação de direitos e trabalho infantil pelo CREAS (Centro de Referência Especializado da Assistência Social), além de realizar palestras educativas nos CRAS.

Já o Projeto Fazendo Direito (financiado pela Fundação Itaú Social em parceria com o COMDICA) se destaca na atuação especifica de estratégias de enfrentamento ao Trabalho Infantil, além de fortalecer as ações de abordagem social (AEPETI) direcionados à problemática. A equipe desenvolve atividades lúdicas e socioeducativas em tenda itinerante nas feiras livres do município, objetivando orientar quanto aos direitos inerentes às crianças e adolescentes e ao fortalecimento da sociabilidade. O Trabalho de prevenção é realizado através de palestras nas escolas do município, no sentido de expor a realidade sobre os efeitos negativos e prejudiciais do Trabalho Infantil.

E, durante esse período junino, a SDSDH estará promovendo a campanha “Em Caruaru crianças e adolescentes têm seus direitos garantidos”, em todos os polos do São João do município. Seja nas festas das comidas gigantes, no Alto do Moura ou no Pátio de Eventos, equipes capacitadas estão realizando ações de sensibilização com distribuição de panfletos, adesivos, praguinhas com orientações e mensagens educativas. O trabalho tem sido feito também através da identificação de crianças com pulseiras e a disponibilização do Espaço de Proteção no COE/Espaço Cultural Tancredo Neves destinado ao apoio emergencial a crianças e adolescentes em situação de violação de direitos objetivando proteção imediata. O Polo Alto do Moura também conta com um espaço de proteção.